DOENÇA PSICOSSOMÁTICA: DESEQUILÍBRIO CORPO E MENTE

doente1

Doença psicossomática é quando problemas psicológicos se tornam físicos. É um processo pelo qual a pessoa “transfere” para o organismo a carga emocional decorrente de algum problema que está vivendo. A explicação seria que a pessoa, por não saber expressar suas emoções e internalizar seus conflitos de forma adequada, acaba por armazenar suas tensões em seu corpo.  Os problemas mais relatados pelos somatizadores são dor no peito, fadiga, tontura, dor de cabeça, inchaço, dor nas costas, falta de ar, insônia e dor abdominal.

A forma mental de enfrentar a situação seria, por exemplo:
 – Fantasiar,  racionalizar,  negar ou  rezar.
A maneira emocional de enfrentamento seria:
 – deprimir-se, agredir, culpar os outros ou culpar-se, chorar e gritar.
Ainda existem algumas atitudes de enfrentamento atípico, que seriam:
 – isolar-se, exibir-se, brincar, arriscar-se, comer, beber, transar, fumar, trabalhar excessivamente.

Caracterizam-se as possibilidades de distúrbios de função e de lesão nos órgãos do corpo, devido ao mau uso e ao efeito degenerativo, e descontroles dos processos mentais. Diferencia-se neste ponto das doenças mentais, em que o mau desempenho não é opcional.
Distúrbios emocionais desempenham papel importante, precipitando início, recorrência ou agravamento de sintomas, distinguindo das doenças puramente orgânicas. Porém, elas podem se transformar em doenças crônicas. Tendem a associar-se com outros distúrbios psicossomáticos. Isso pode ocorrer numa família, em diferentes períodos da vida de um paciente ou em certos ambientes de trabalho e até de lazer.
Geralmente esta conduta, que pode partir dos próprios médicos que acompanham o caso, gera muitas dúvidas ao paciente: “mas como é psicológico se está doendo?”; “mas é verdade, não é coisa da minha cabeça?”.

A hipótese de que uma pessoa tenha uma doença psicossomática não significa que a dor e a enfermidade não existem. Pelo contrário, o corpo realmente está em sofrimento, com dores, feridas, descontroles e descompensações orgânicas, que inclusive são até dificilmente controladas com as terapias medicamentosas e os recursos da medicina tradicional.

As doenças psicossomáticas podem se manifestar nos diversos sistemas que constituem nosso corpo, como por exemplo: gastrointestinal (úlcera, gastrite, reto colite); respiratório (asma, bronquite); cardiovascular (hipertensão, taquicardia, angina); dermatológico (vitiligo, psoríase, dermatite, herpes, urticária, eczema); endócrino e metabólico (diabetes); nervoso (enxaqueca, vertigens); das articulações (artrite, artrose, tendinite, reumatismos).

Não é raro, nos casos de doenças psicossomáticas, que as pessoas enfrentem dificuldades no diagnóstico e insucesso dos tratamentos propostos, gerando uma perambulação por vários médicos especialistas em busca de cura ou alívio. O diferencial mais importante para se considerar uma doença como psicossomática é entender que a causa principal desta descompensação física, que aparece no corpo, está na esfera emocional da pessoa, ligada, portanto à sua mente, aos seus sentimentos, à sua afetividade. E esta variável emocional se torna importante tanto no desencadeamento de um episódio, de uma crise, quanto na intensidade e/ou manutenção do sintoma, conforme cada pessoa. As relações entre o corpo e a mente são mais próximas do que costumamos imaginar e os mecanismos inconscientes são muito presentes nesta ligação. Por isso é comum a sensação inicial de que os sintomas “vieram de repente”, “não teve nenhum motivo para que eu ficasse assim”, “não consigo entender o que aconteceu”. Por exemplo, é difícil para um paciente com gastrite identificar quais podem ter sido as causas emocionais do desencadeamento de uma nova crise. A ansiedade e a irritabilidade são sentimentos comuns nos quadros psicossomáticos, e há uma tendência a identificar e culpabilizar eventos externos pelo problema, aumentando a sensação de impotência diante das dificuldades. É importante deixar claro que o corpo também deve ser cuidado com as terapêuticas adequadas (no nosso exemplo, a pessoa com gastrite deve procurar o médico e realizar exames solicitados, tomar os remédios prescritos, fazer uma dieta alimentar caso seja indicada). Geralmente, o aconselhável é um atendimento psicológico associado, que possibilite auxiliar o sujeito a nomear os sofrimentos que vivencia, para além do real do seu corpo.

No organismo vivo, cada célula, ou melhor, cada grupo celular específico, possui funções próprias, que são muito específicas, para aquele tipo de função desempenhada por aquele órgão. Como é de se esperar, todos os nossos sentimentos, afetos e emoções impregnam essas células. Senão, vejamos: quando ficamos com raiva, nosso organismo fica pronto ou para “fugir” ou para “lutar”, quando temos raiva, contraímos; nossos músculos ficam tensos, enquanto quando sentimos alegria, tranqüilidade, ocorre um abrandar dessas energias. Existem Estudos que comprovam que pessoas mais fechadas, mais tensas e chegadas ao isolamento, tendem mais a desenvolverem quadros de tristezas, depressões e pessimismos. Seus corpos “sabem” o que as emoções lhes pedem e respondem com “obediência”, dando como resposta, quem sabe, uma cefaléia (dor de cabeça), uma gastrite (dor no estômago produzido por inflamação) ou quem sabe, uma doença do coração.

Às vezes, o que o corpo executou, não foi suficiente para redimir a pessoa da culpa, sobrevindo doenças mais graves, talvez, como uma desordenada proliferação de células defeituosas. Aliás, já foram comprovados em Estudos, que tais células sofrem um controle contínuo por nosso Sistema de Defesa Imunológico, que tem como finalidade, impedir uma produção desordenada de células anormais. Todos os componentes de nosso Sistema de Defesa Imunológico, ao que parece, estão ligados às emoções e sentimentos. A doença é aquela verdade que a pessoa esconde de si mesma. O tempo todo incorruptível,trazendo a sombra, a emoção retida que a pessoa não pode ver de uma maneira simbólica. Assim, o sintoma é uma saída que a pessoa encontra para expressar o que ela não consegue falar ou sentir. Todo sintoma traz um caminho para a saúde. Mostra que algo não vai bem. Há sentimentos escondidos. Põe para a fora o que é necessário.
A doença não mente! Traz a polaridade que está sendo negada, negligenciada. Põe o sujeito para lidar e resolver o que o impede de ser o que ele deseja ser. A emoção e o sintoma são íntegros! Eles querem que o sujeito mude o caminho da vida. Cada doença mostra um caminho metafórico e nos propõe algumas perguntas interessantes:
O que este sintoma te impede?
O que este sintoma te obriga?
O que aconteceu com você nos anos anteriores ao surgimento do sintoma?
O que você gostaria de estar fazendo e não pode fazê-lo?
Há pessoas envolvidas no seu problema de saúde? Como?
Com o que se parece seu problema? (Sugerir uma metáfora/analogia).
As pessoas que sofrem de problemas psicossomáticos têm dificuldades de simbolizar, fazer analogias, sentir emoção. Aprenderemos técnicas derivativas que nos possibilitam pelos símbolos, cores, chegar até as emoções retidas, recalcadas. Normalmente as pessoas estão cansadas de se machucar, aprendem a evitar os problemas e a doença aparece para avisar que ainda é preciso fazer alguma coisa.
É preciso aceitar a doença, para poder curá-la. Mesmo que isto traga tristeza e sofrimento é a maneira honesta de ouvir o que seu corpo fala sobre você. Precisamos ter coragem de sentir este sentimento para poder curar. É como assumir a guerra e assim lutar! Conhecer o que a doença quer dizer, que coisas devo matar, retirar, mudar para sarar. O que devo cuidar? Dos sentimentos, é claro.

Felicidade e saúde são objetivos que se constroem todos os dias, com realizações simples e atos pequenos a nosso favor, como: ouvir uma boa música (no carro que seja), não exagerar na comida, tomar um sorvete andando na rua em um dia quente, sair mais cedo de casa para não pegar tanto trânsito, ligar para um amigo que faz tempo que não vemos, chegar do trabalho e dar uma caminhada, tentar dormir mais cedo, ser pró-ativo e não deixar que os problemas cresçam de maneira angustiante e tentar ter paciência com a vida.
É importante dizer que o corpo deve ser cuidado com medidas terapêuticas adequadas a cada tipo de manifestação da doença, além de ser aconselhável um atendimento psicológico associado ao tratamento. Juntas, essas iniciativas possibilitam auxiliar o indivíduo a reconhecer os sofrimentos que está vivenciando para além do seu corpo.

A importância deste tratamento se dá ao fator do rompimento de uma possível evolução crônica da doença, o que pode limitar progressivamente a vida social e emocional do indivíduo. Portanto, se você se identifica com alguns destes sintomas, procure ajuda médica ou converse com um psicólogo. Esses profissionais ajudam a superar as dificuldades, especialmente na fase de diagnóstico. Mas lembre-se, depende muito de você mesmo querer se ajudar!

Somos muito mais competentes do que imaginamos para nos proteger e nos realizar. O que precisamos é acreditar nisso.

About these ads

37 comentários em “DOENÇA PSICOSSOMÁTICA: DESEQUILÍBRIO CORPO E MENTE

  1. Gostei muito das explicações deste artigo, apesar de já saber o que eu tenho !!! me identifico com muitos dos sintomas descritos, mas é sempre bom saber mais para melhoar. obrigada.

  2. Bom, meu nome é gabriela tenho 16 anos e tenho um namorado chamado douglas e ele tem 21 anos. Meu pais falam que eu sou maluca e doente de amor por ele. Tudo que o meu namorado me pede eu faço tudo tudo mesmo. Eu nao saio mais com os meu pais , só quando ele sai com agente. Eu tenho ciumes das minhas irmaes com ele. Nao sei o que eu faço pra mudar isso porfavor me ajude eu sou muito nova pra ficar assim. Eu vou botar o E-mail da fake da minha irmã gemea ta bom?!

  3. Olá, muito obrigado pelo texto escrito. Se todas as pessoas pudessem ser esse texto no momento de tensão, praticamente se curariam sozinhas. Passei por isso e só me dei conta quando um médico me deu um puxão de orelha. Fiquem com Deus.

  4. Sou diabetica a 6anos e me identifiquei muito com o texto e os sintomas.Sou muito carente e tudo que acontece guardo pra mim.me de dicas para a minha cura por favor sinto muitas dores que aparece do nada sei que isso é psicologico.Tenho 21 anos sofro a 6 anos.Brigada me ajude por favor

  5. oie estou ake pq preciso de ajudar a como tratar uma coisa que esta se criando na minha cabeça pois quando vo dormi todas as noites tudo que aconteceu comigo passa na minha frente e no meu pensamento vai criando coisas tipo vejo pessoas falando q eu morri eu naum sei exatamente o que é isso mais fiquei preocupado até que hje fui dormi e tudo q se passou pela minha cabeça parece que sumiu e minha cabeça esta meio que prenetada não consigo explicar isso

  6. oie estou ake pq preciso de ajudar a como tratar uma coisa que esta se criando na minha cabeça pois quando vo dormi todas as noites tudo que aconteceu comigo passa na minha frente e no meu pensamento vai criando coisas tipo vejo pessoas falando q eu morri eu naum sei exatamente o que é isso mais fiquei preocupado até que hje fui dormi e tudo q se passou pela minha cabeça parece que sumiu e minha cabeça esta meio que prenetada não consigo explicar isso

  7. Boas gente! Eu sou a Carina, tenho 19 anos e à 5 anos foi me diagnosticado esquizofrenia, e eu como é claro, ainda agora o nego, dizendo que “sim, posso ser maluca mas nao tanto”. Tomei a medicaçao mas larguei porque me deixava calma demais, parecia doente, e agora sinto que tenho sintomas desta doença que aqui está a ser falada. Estou muito bem e passado uns dias fico muita mal, as vezes sem razao aparente, simplesmente me sinto mal. Tem alturas que saiu muito como outros ando depressiva. Que tenho eu mesmo?

  8. olá, me chamo roberta, acredito que estou com esse problema, como e que faço para me cuidar.

  9. Olá, o meu nome é Claúdia e ao fim de quase 5 anos de não descobrirem o que eu tenho e de me fazerem diagnósticos errados, dizem agora que tenho uma doença psicossomática. Após uma queda grave, em que bati com as costas, nunca mais consegui deixar de ter imensas dores nas costas, devido a isso tive de deixar o trabalho onde estava e desde então os médicos sempre me disserem que eu tinha uma doença reumática pois após 2 anos comecei a ter problemas no andar, até que agora necessito de canadianas para me movimentar. Eu era uma pessoa super activa, sou professora de educação física e o desporto era a minha vida e quando os médicos me disseram que nunca mais poderia exercer a minha profissão, aí sim apeteceu-me desaparecer. Agora estou na dúvida se desta vez acertaram mesmo no diagnóstico.
    Com os melhores cumprimentos e obrigado pela informação.

  10. este comentário me servio basstante. me tirou muitas dúvidas e me fez pensar melhor no meu problema psicossomático existente, obrigdo!

  11. Acho que precisava de um empurrão pra decidir a procurar ajuda, as vezes pensamos que podemos controlar nossos sentimentos e sem perceber nosso corpo adoece. Acredito que posso virar essa página.

  12. gostei muito do artigo, pois motiva quem lê fazer sua própria reflexão, obrigado pela oportunidade .
    silvia brezzi

  13. sou aureci tenho 36 anos,e acabei de descubri que estou com esses sintomas fui diagnosticada, hoje e resolvi procurar informaçoes a respeito dessa doença tao devastadora que esta acobando comigo ja perdi meu trabalho estou como uma louca de ciumes de meu marido vejo coisas erradas em tudo o que ele fala ou faz por favor mim ajudem.

  14. Olá Fabiana, infelizmente não sei dizer ao certo, por não ter tido ouvir ainda falar ou ter lido algo!!!

  15. Minha mãe após 3 cirurgias de hérnia de disco passou a sentir dores (teve q parar de trab e minha avó faleceu nessa época)isso já faz 3 anos.O neuro diz que ela não tem nada e deixou claro que não quer mais ela como paciente.Ela passou a consultar com um psiquiatra q receita para ela vários remédios todos controlados, e sempre q ela pede aumenta a dosagem.Ela toma antidepressivo , remédio para dormir, para ansiedade e agora está tomando um remédio para quem tem cancer em fase terminal( para dor).Não fik sem nenhum de forma alguma.Dorme o dia todo, não faz nada,parece estar sempre anestesiada.Agora tbm como doce sempre(todo dia) uma coisa que nunca gostou,minha irmã diz q ela quer desenvolver diabetes para chamar mais atenção.Não sei oq fazer ,como ajuda-la , tenho medo dq possa acontecer.Ela não aceita q os remédios estão fazendo mal.

  16. essa pagina me ajudou muito no trabalho da escola e eu gostei muito e apredí muito!

  17. Nossa, Muito Bom Esse Artigo Eu Adorei As Explicações Dos Sintomas, Incrível Realmente Adorei O artigo.

  18. Li e me identifiquei muito com todas as informações…a um mês atrás da noite para o dia me travei inteira “somente em todas as juntas”, ia ao hospital o soro que me davam somente aliviava a dor. Os médicos disseram, vamos medica- lá somente aqui é necessário você procurar um especialista “Reumatologista”, e assim o fiz ..naquele mesmo dia fui orientada a fazer nsns exames e após começar a tomar remédios fortíssimos e caros, conclusão neste mesmo dia, fiquei sabendo que no Centro Espirita Manoel Bento, estaria o médio de cura Paulo neto.
    Fui até ele me arrastando e sentido fortes dores em todo o corpo, as palavras dele para que era só para mim, naquele instante pedi perdão a Deus, e comecei a orar, até cheguei a adormecer.
    Bom com o passar das horas fui me sentindo bem, chegou a minha de passar por ele. Então fui abraçada pelo o médio que fez as suas devidas orações…..e após sai sem dores e andando normal, rsrsrs…vocês não imagina a minha satisfação, quando alcancei a porta da rua, eu pulava de alegria, pois as dores, não me deixava ao menos levantar a minha própria mão….bjs no coração de todos que compreende a enfermidade e a trate com amor e carinho, até mesmo para ela não voltar mais, porque a partir do instante do entendimento dela, nós fazemos a nossa própria reforma intima.

  19. Bom meu nome é Andréa, tive uma dor intensa semana passada e fui ao hospital como se eu tivesse tendo um infarto e graças a Deus não era. Gostei muito do texto, mas ainda tenho dificuldades em associar uma dor aguda com uma dor “psicossomática”. Como posso sentir tal dor e ela ser imaginaria? Estou na meia idade, mas isto não entra na minha cabeça. Sempre fui ativa, para frente, alegre e extrovertida e agora passar por tudo isso… Preciso me inteirar mais do assunto.

  20. o melhor que as pessoas teem a fazer é fazer exercício moderado alimentar se bem e evitar stress preocupações isso sim cura mais do que andar nos médicos..eu falo por mim porque sempre que ia ao medico a versão de cada um era diferente.

  21. Adorei o que você comentou aqui, exatamente isto que temos que procurar, toda doença tem um porque, basta a gente procurar em nosso interior e se curar. Remedio só vai tapar o problema e não curar e resolver para sempre. Todas as questões de nossa vida depende de nós! Parabens por sua conquista, beijosss

  22. Oi, meu nome é Beatriz ,o que tenho pra dizer é o seguinte. Desde os 11 anos tenho pontadas no cotovelo esquerdo ,hoje já estou com 49 anos , já procurei os melhores especialistas , fiz os melhores exames e até agora nenhum medico soube me dizer nada , inclusive até cirurgia fiz pensando que era tendinite, mas 3 meses depois começou tudo de novo. Agora estou me tratando com psiquiatra ,pois passei por uns periodos de bastante turbulencia com a morte da minha mãe a 3 anos atrás.Mas enfim,conversando com minha filha a respeito ,chegamos a essa conclusão ,que pode ser sim uma doeça psicossomatica ,pois foi bem na epoca que perdi meu pai .Será que pode ser um trauma ?????.Espero resposta .Obrigada .

  23. GOSTEI DA MATERIA Sou terpeuta Iridologo Psisomatico,Gosto muito de trocar ideia e falar sobre o bem estar das pessoas

  24. Tenho 35 anos e sofro com uma doença que os médicos não descobrem oque é. Na ressonância magnética aparece que meu cerebelo está atrofiando. Acredito sim que é algo psicossomático.
    Gostaria de saber oq fazer?

  25. acabei de ler o texto, passei 15 dias cecer com dores no peito sem causas, me identifiquei com o texto pois tudo que senti naqueles dias nao tinha causas aparente, somente emocionais, tenho muitos problemas na vida nao se como lidar com elas preciso de ajuda, e pelo que eu li preciso de um psicologo uergente, agora mesmo escrevendo esse texto estou com vontade de desaparecer do mundo, socorro………..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s